segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Na corda...


E já me sinto a caminhar na corda bamba há já alguns anos. Já o faço com uma destreza tal (apesar dos galhunços que este caminhar provoca), que nem creio que o caminho seja de outra forma! foi o desabafo do dia!!!

domingo, 15 de janeiro de 2012

sábado, 14 de janeiro de 2012

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A formiguinha!



E de repentemente, lá pela 1 da matina, enquanto a malta ia buscar o sobrinho à festa, lá faz a a subida e depois da róótunda, quando se prepara para descer, dá com um carro completamente espetado contra o passeio.


Ou seja, ou o moço estava com os copos ou fez a rótunda a abrir e espetou-se assim-todo-e-completamente contra o passeio.


Ora,aqui a moçoila como boa cidadã pergunta “está tudo bem?” ao que ele faz um fixe (ok, não estava com os copos) e continua ao telefone. Como a coisa não era complicada, e até era bem simples, pois o carro não tinha subido o passeio, estava meramente encaixado, a malta lá sai do carro e pergunta “não quer tentar e os dois tiramos o carro daqui?”


O moçoilo lá anuiu, saiu do carro e lá balbuciou “ok, vamos então tentar os dois” mas com ar desconfiado que eu não conseguia descortinar, até ele estar ao meu lado.

“Atão” aqui a moça dava-lhe, assim-mais-ou-menos pela cintura. O moço tinha uma farda da força especial da polícia e tinha umas costas que eram o dobro das minhas. Ou seja, ele estaria a pensar “a formiga pensa que vai fazer alguma coisa!?!?!”.


Conclusão: Tiramos os dois de lá o carro. Quando o amigo dele chegou para o ajudar, já não era necessário. Ele simpaticamente agradeceu com um sorriso de orelha a orelha e lá fui eu buscar o sobrinho.


Moral da história: não meças os outros pela altura e peso ;)

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

bailarina...



E... continuamos na terrifica idade...

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A terrifica idade...



Como diria um amigo meu "isto não é uma crítica é um desabafo!"

Para quem trabalha, tal como eu, por casa, mas não está sozinho, vai-se deparando com certas realidaes da terrifica idade. Até se chega mesmo a pensar que estamos na reforma, apesar de ainda nos encontrarmos na medonha idade.

Ora, a malta trabalha pela noite "adentro" qual morcego, pois é nessa hora que se encontra a paz e sossego necessária para se poder trabalhar. Ao longo do dia, existe sempre algo inerente às funções domésticas (que não acontecem com quem trabalha da s9 às 18), a malta tem de ir ao super porque a vóvó grita "ups, esqueci-me disto ou daquilo" às vezes é a Maria que grita "preciso de tinta, de um tico-tico, de qualquer outra coisa" tão im-putante para a sua bricolage.

Neste passar diário, vemos notícias na televisão repetida e repetidamente até à exaustão da paciência. Os programas diários que são facultados à vóvó cricket são tão fúteis que eu temo seriamente pela saude mental da mesma. Comprar livros (que é algo que a vóvó gosta de fazer, ler!) está fora de questão. O Orçamento mensal dela, não chega para tanto!

O preço dos transportes públicos também não são muito aliciantes para que a vóvó queira sair. E ir ao cinema, ao teatro(que é algo que ela gosta)e já nem vamos falar da ópera, está fora de questão, devido ao orçamento!

à noite, quando chega a hora de eu começar a trabalhar, lá pela meia-noite, é quando começam as series televisivas que nem vale a pena olhar para elas, pois são a 2ª temporada depois de ter acabado de dar a 3ª. O que por si só é desmotivante.

E "apois" de por vezes me sentir como a vóvó... na reforma... pensa a "je" para si mesma

"Mais valia que a gaita do apagão deixasse a população sem televisão porque para o raio de programação que temos, mais vale nem carregar no botão ONOFRE do aparelho!!!"

domingo, 8 de janeiro de 2012

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Viagens...



Amiga: jiminy, amanhã vais comigo à Estados Unidos da América?
Jiminy: assim de-repentemente-e-sem-mai-nem-ontem, não tenho dinheiro para a viagem!!!!
Amiga: …. Não! Não é aos states! É mesmo à avenida… já ali em Lisboa.
Jiminy: ahhhhh (interiormente “oh que pena”)
Amiga: preciso de ir à segurança social que é lá.
Jiminy: ok
Amiga: venho-te buscar as 7.30 da matina!
Jiminy: …. (ok, vou me levantar com as galinhas, vou perder uma manhã e ela vem de lá cheia de “dóvidas”)



No dia seguinte, lá me levantei com as galinhas e fui fazer companhia à amiga. Fiquei abismada com a rapidez e esclarecimentos dos serviços. Afinal, nem tudo em Portugal é mau… e até, ele há serviços que funcionam!
E nunca pensei ir e voltar aos states em apenas 5/4 segundos

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Conversas Graúdas...



Sobrinho: Tia estás triste?


Tia: Estou!


Sobrinho: Porquê? chateaste-te com o namorado?


Tia: Não foi bem chatear, fiquei triste, ele não gostou das minhas meias...


Sobrinho: Como é que ele te viu as meias?


Tia: porque a malta deita-se?!?!?!


Sobrinho: Eu nunca vi as meias a niguém. Esqueço-me que és adulta!





E digam lá se não é bom ter um sobrinho que se esquece que tenho mais uns anos valentes que ele!

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

E para começar...






Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio

ou flecha de cravos que propagam o fogo:

amo-te como se amam certas coisas obscuras,

secretamente, entre a sombra e a alma.


Amo-te como a planta que não floresce e leva

dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,

e graças a teu amor vive escuro em meu corpo

o apertado aroma que ascender da terra.


Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde,

Amo-te diretamente sem problemas nem orgulho:

assim amo-te porque não sei amar de outra maneira,



senão assim deste modo em que não sou nem és

tão perto que a tua mão sobre meu peito é minha

tão perto que se fecham teus olhos com o meu sonho.




Soneto XVII

Pablo Neruda

domingo, 1 de janeiro de 2012