sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Back 4 a Sec!


Miuda Gira: Ois! Nice 2 see u on monday!
Nice Nick - Walking Chocolat!!
(Já a babar por todos os lados a imaginar-se a trincar o Choc Man que passeia na rua em que todas as gaiatas sucumbem à sua passagem!!!)

Miudo Muita-Giro: Ois! blá blá blá blá blá blá blá blá blá
Sei q estou em falha contigo, mas um dia vou compensar-te!

Miuda Gira: (Mas onde é que já ouvi isto?!)
POis, babe, (querido, honey) mas porquê um dia!? Eu não mordo!?! ;)
(Por favor, deixa-me morder-te!!!!!)

Miudo Muita-Giro: Pá, Obrigada por fazeres parte da minha vida!!!
Adorei a tua reacção!! Beijos.

Miuda Gira: !?! Huuumm!?! Oi!?!? Hein!?!?!?


AIAIAIAIAIAIAIA!!!!!!!!Baralhou! Queimou o piston! Puff!!
Encostou á box!! Fui!...

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

conversas de..


Amiga: preciso de falar contigo, bebemos café?
Eu: claro que sim!

Um café a seguir a um dia de trabalho cansativo:

Amiga: estas bem?
Eu: nem por isso, mas leva-se a coisa. E tu?
Amiga: Eu estou de rastos… bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla. Que achas?
Eu: penso que....
Amiga: Não concordo porque bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla
Eu: se pensas assim quem sou eu para te contrariar!
Amiga: mas não estás a ver o óbvio bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla, bla

E pensava eu de mim para o meu mim …Eh lá! estou a levar com o galhunço todo da moça!!!!... caraças, estou cansada, tive um dia infernal, venho beber um café porque ela precisava de falar comigo e não me escuta?

Eu: bem, minha cara vou ter de ir, são 2 da manhã e estou cansada!
Amiga: desculpa, quase não tivemos tempo para falar.
Eu: pois, não tivemos mesmo!

É sempre bom conversar sozinho, continuo sem perceber porque certas pessoas não tem capacidade de ouvir e o que pretendem é vomitar os seus galhunços no quintal dos outros!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

medos e....


Primeiro mês:
Gostava de estar contigo
Estaremos!

Dia seguinte

Estamos?
Adorava ver-te mas não vou conseguir!

Passado uma semana
Gostava de te ver, tenho saudades!
Então bora-bora matar saudades?
Não posso!

Passado um mês
Continuo com imensas saudades tuas!
E? que pretendes fazer?
Não sei, diz-me tu!

O medo e insegurança são tramados, levam-nos a perder bons momentos com pessoas de quem gostamos e com quem adoramos estar!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

London Town


Gosto! gosto de ter esperado 400 anos para ver a evolução de certas cidades deste País e passar por elas e pouco mudou.

A malta hoje foi a London Town. London Town, faz parte da minha infância e há 400 anos atrás era uma cidade provinciana que estava muito aquém do que eu esperava encontrar numa cidade.

Claro que as minhas vivências, o meu mundo, a minha vida se mudaram logo para a capital e London Town era apenas uma cidade de passagem para visitar o Shire.

Passaram 400 anos e London Town modificou-se, já tem um tribunal em condições (assaltado há muito pouco tempo) o parque da cidade veio substituir o antigo jardim (onde já não é seguro passear à noite) e até já tem uma hora de ponta (no trânsito, claro)

Contudo, o que eu esperava ter encontrado em London town há 400 anos atrás era muito mais do que vejo hoje para poder ver algo mais no passar destes 400 anos. As mentes continuam na mesma e o povão pouco mudou ou andou para trás, e continua a ser uma London Town provinciana.

Esta evolução para trás mata-me e tira-me do sério. Depois oiço o nosso menino dizer que vivemos na Europa, o País é desenvolvido e estamos todos no auge…. Ahhhh e termos um TGV lá para o ano de 2400…. Bah!

Continuo a não ver no nosso interior (tão perto da capital) a evolução, o caminhar para a frente e rápido. Tudo é lentium em questões de evolução. O Shire não mudou nem um milésimo de segundo, a única diferença é que tem, ao fim de 400 anos, uma rotunda do tamanho de um campo de futebol.

Pensa-se pequeno, continuamos pequenos, seremos pequenos para sempre no tamanho e no pensamento? Não me contento com este lentium todo na movimentação das coisas. Qualquer dia morro de velhice e nada mudou… bah!

domingo, 26 de outubro de 2008

Os pavões...


O Galhunço Team decidiu sair por Lisbon By Night e ir ver o best Jijei of the World botar o seu funk house ali para os lados de Santos, mais propriamente no Alive.

Apois um Sábado de trabalho, as moçoilas passearem, matarem saudades e jantarem together. Apois da janta forem até ao bar para dançarem ao sonzinho do best funk House (e único) que se ouve por Lisboa.

Após a entrada das moçoilas, depararem-se com a faixa de rodagem da população nocturna que rondava entre os 15 e os 17 (lindio, parecia um episódio dos morangos com açucar!!!!) apóis lá mudemos de sala, a faixa de rodagem aumentou e a coisa tornou-se mais interessante de uruberservar.

Lá bebemos umas caipirinhas e cubas-libres fornecidas grátis, à borla e free pelo barman mais engraçado do bar e apois um dia de trabalho e com o sonzinho a apetecer aquilo ficou muito mais divertido.

Os moçoilos faziam os rituais de acasalamento (dançando qual passarinho que seduz a sua passarinha…. Esta ficou engraçada), tão vistos em qualquer documentário da Nathional Geografics e o Galhunço Team (as allways) estava para se divertir, rir e pular e ignoremos os rituais exercidos por moçoilos em faixa de rodagem, agora ligeiramente mais próxima da nossa.

Alguns tiveram a coragem da abordagem verbal, da cantiga do bandido, tão própria destes espaços.

Na maioria, este tipo de espécie masculina encosta a barriga ao balcão, segura o belo do copo e cutucam-se, entre eles, quando uma moçoila interessante passa, não costumam ter esta coragem. Ontem, estavam afoitos (palavra bonita) muito típico de uma noite de berão o que me deixou na dóvida em que estação do ano estariamos.

No final, voltemos as duas para casa muito mais dormentes do que quando entremos e felizes por termos tido a oportunidade de matar saudades uma da outra, rir, dançar, pular e desconstruir toda a semana cansativa que a vida nos tem proporcionado.
Momentinho bom ;)

Sunday's Flowers

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Aventuras...


Desde Janeiro que não se pode fumar na maioria das casas de diversão nocturna de Lisbon by Night. A malta descobriu que nos pubs, bares, discotecas em torno do Shire se pode fumar em todos eles. Ora, ontem a malta lá saiu da formação das moscas e resolveu convidar a Maria para sair.

Talvez ela saísse do marasmo e a coisa desse um “tchan” na mona da moça. Fomos até aquele barzinho maravilha à saída de Lisboa, mesmo ali na PSA, onde o som é terrível mas podemos fumar que nem umas desalmadas. O bar foi o eleito porque actua por lá, todas as segundas, uma banda que eu gosto muito, os Triskle.

Cheguemos, assentemo-nos e dividimos uma tosta mista e uma cola. A moçoila que nos atendeu virou-se para a Maria, ignorando a minha pessoa, e disse:

Moça do bar: Está chateada?
Maria: Não, estou só cansada, mas como prometi à banda em vir vê-los hoje, cá estou!

A moça, lá foi para o balcão e questionei

Eu: Oh Maria, conheces a moça?
Maria: Não. Só cá vim uma vez!
Eu: E ela lembra-se tão bem de ti?
Maria: Sei lá, vim com um amigo, nem me lembrava da moça!

Lá ouvimos os Triskle, como sempre divinais, a Maria lá trauteou as musiquitas que eles cantam e lá pela 1.30 da matina chegou a hora de sairmos. Dar beijinhos à banda, despedir de um amigo que apareceu à última da hora e quando cheguemos ao local de pagar la cuenta lá estava a moça.

Moça do bar: Você hoje não está bem!
Maria: Estou só cansada, nada de especial!
Eu:….?!

Eu fiquei um pouco na dóvida e comentei com a Maria. Qual é a gaija que trabalha num bar e faz comentários destes com os clientes? E logo na segunda vez que a vê? Hummmmm? Ou muito me engano ou se eu não estivesse com a Maria a moçoila fazia-se convidada para a trazer a casa! Ou estava só a ser simpática?!

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Quebra...


Argggggg estou mesmo farta! Cada vez que entro no meu e-milio lá tenho 400 correntes para passar pelos amigos (claro que adoro os meus amigos e o raio das correntes vão todas para o lixo)… mas que ando farta, ando! Se eu fosse a pensar nelas este seria o resultado:



Seria uma pessoa muito mais feliz pois neste momento cheirava mal porque os desodorizantes causam cancro. Tinha deixado de comer frango porque são geneticamente modificados e no mínimo acabava por comer quatro pernas e quatro asitas em vez de duas de cada (o que não acho mau de todo).




Tinha o dinheiro debaixo do colchão com medo de levantar dinheiro em qualquer ATM pois podia ser assaltada ou o meu código copiado. A esta altura do campeonato não bebia refrigerantes em lata com medo da Leptospirose, muito menos Coca-Cola, por causa do moçoilo que caiu no tanque de uma fábrica e foi corroído.



Deixava de ir ao cinema e ao teatro, com medo de me sentar em cima de uma agulha contaminada com SIDA. Sair e conhecer gente nova estava fora de questão pois podia acordar numa banheira com gelo, e sem rins. Os poucos trocos que tenho tinham ido parar à conta da menina que precisa de uma operação urgente (que só tem um mês de vida, desde 1914). E por último Jesus Cristo já se tinha mudado cá para casa!



E era só para avisar a amiga que enviou o e-milio de hoje com os “Deuses Indianos” que são uns queridos mas quem não os passar a 20 amigos tem um montão de azares, que a corrente morreu cá em casa. Ah! E como dizia no e-milio quanto aos horrores do não envio… esquece lá isso, tudo já me aconteceu mesmo antes de mandar o e-milio para o lixo… arre que streck de mails!

domingo, 19 de outubro de 2008

sábado, 18 de outubro de 2008

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Miminho Especial...

Como a nossa Daisy anda super-mega-hiper atarefada, sem tempo para respirar devido a compromissos profissionais, fica aqui um miminho para os 5/7 minutos do descanso dela ;)

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Atracção...


Ora, um tema interessante e deveras im-putante que me deixou com os pipinhos aos pulos aquando a moçoila esbarra com um anúncio baseado sobre a atracção. Ora a moçoila possui alguns conhecimentos sobre o assunto e ficou estupidificada (não muito longe do normal) com a descoberta.

Desde sempre que sei que existem investigações em torno deste assunto e que os responsáveis pela atracção e o segredo está nos 6 sentidos. Como todos sabem os sentidos são 5, por isso é melhor expricar a im-putância de todos na atracção, para melhor perceberem.

A visão é o maior responsável pela atracção. “Ápois” é com a visão que nós recebemos maior informação É através dos olhos que recebemos os mais variados tipos de informações, tais como, as feições de uma pessoa, que apreciamos a sua beleza, os traços do seu corpo, se a sua aparência é agradável e se nos agrada a sua presença.

“Ápois” temos a bela da audição que não sendo o estímulo que mais influencia numa atracção, os sons poderão ter um papel de im-putante nas relações. Por exemplo uma música calma poderá proporcionar um ambiente romântico e propício a que um moçoilo e uma moçoila se sintam mutuamente atraídos.

Seguido, temos o olfato em que os moçoilos e moçoilas, não reagindo como os animais, que respondem ao cheiro e ao odor de uma forma inconsciente, podem ser atraídos por cheiros que os podem estimular ou pelo contrário resfriar a atracção. Contudo a memória olfactiva de cada um e as associações que cada um faz a cada cheiro é deveras im-putante.

Quanto ao paladar, é a partir dele que recebemos estímulos sexuais tais como o beijo. Ou por si só pode ser uma forma da malta comunicar com outra pessoa, e desenvolver a partir dele relações sexuais constantes.

Sendo considerado por muitos como o sentido fundamental, logo a seguir à visão, o tacto completa os cinco sentidos que o ser humano utiliza para ter a percepção da realidade representando, no entanto, apenas 8% das informações recebidas da realidade. O tacto revela-se por outro lado o sentido fundamental no "mundo das carícias”.

Por último temos o 6º sentido (não, não é o filme e I don’t see dead people) que é o sentido que recebe os sinais químicos libertados pelos moçoilos e moçoilas, as belas das Feromonas que são captadas pelos nossos Órgãos Vomeronasais que ficam ali mesmo lado a lado com o aparelho olfativo.

Ok isto é tudo muito im-putante e a expricação é longa, contudo descobri há pouco tempo que afinal tudo isto está errado e afinal o segredo da atracção pertence unicamente à equipa de investigadores da Linic, pode???? As coisas que eu descubro na TV!

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Portas, dobradiças e afins...


Não, não vou falar da crise financeira. Apesar de ser im-putante, eu sei, mas não vos vou mostrar gráficos do Nasdaq que espelhem bem a crise que não tem um aparente final à vista. Não irei falar do recente debate de Sarah Palin e Joe Biden, candidados à Vice-Presidência dos EUA. Muito menos irei falar do ainda mais recente debate entre o Barack Obama e John Mccain. Nem dos juros que desceram por decisão do Banco Central. Já não tenho pachorra para ouvir e falar do mesmo.

Beim, como a nível financeiro eu ando uns anos avançada dos outros, tudo o que anteriormente referi, para mim passa-me um pouco ao lado, pois já passei várias vezes por lá. Eu se fosse fazer um gráfico financeiro do meu euro dava uma coisa bem mais grave que o gráfico actual do Nasdaq, mas isso agora não é im-putante.

Im-putante sim, é referir que desde que vim para o Shire a Maria tem estado no marasmo, acho que o ar do campo lhe fez mal e foi oxigénio a mais a entrar-lhe pelo cérebro adentro. Ora pois, a moçoila ficou off e recusa-se a fazer qualquer tipo de actividade.

Este marasmo dá comigo em louca porque não gosto de a ver assim e por outro lado as tarefas de construtora civil (que recaem sobre ela) passaram directamente para mim.

Este foi um momento complicado da minha vida, mais complicado que qualquer outra crise que paira por aí. Ou seja, foi a colocação de duas portas num armário cá de casa. A coisa parecia simples e era colocar a bela da dobradiça na porta e colocar a porta, certo? Nãaaaaaa

Não foi tão simples quanto pensei. Descobri que as dobradiças possuem uma vida própria. Foi a crise total cá no Shire. Na primeira fase da obra eu teria de colocar a porta do lado esquerdo. Ok, foi colocada mas não fechava, tirar tudo, inverter o sentido da porta (que estava de pernas para o ar) e colocar tudo de novo… sucesso!

Pedia indicações à Maria que vegetava no sofá e… pois, não lhe apetecia. A segunda fase foi colocar a porta direita que após várias tentativas ainda não está no local certo… uma canseira, canseiraaaaaa!

E só penso, que raio tenho eu de fazer à Maria para que ela saia desta crise mental que a faz vegetar no sofá e estar off??? É que, não é por um acto de egoísmo, mas sim por preocupação, a moçoila é muito mais despachada que eu nestas coisas e faz-lhe bem ao pipinho o trabalho… digo eu!

domingo, 12 de outubro de 2008

Outono


Hoje o Shire acordou ao som de trovões e relâmpagos. Estranho… sons que tinham ficado bem longe na minha memória voltaram a estar presentes. De tarde fez um sol descomunal, esteve calor e ao mesmo tempo a chuva fininha caía. É nesta altura que as velhotas aqui do Shire dizem “a chover e a fazer sol, estão as bruxas a pentear-se” nunca percebi bem o porquê do ditado!

Fica o cheiro delicioso de terra molhada misturada com o ar fresco e frio que vem da vegetação e ... o silêncio!

Anoitece e cai uma bátega de água. Depois os grilos cantam o que nos lembra as tardes quentes de verão quando as cigarras cantam… mas ups, o Verão já foi e o friozinho faz questão de bater à porta.

Quando estamos na cidade é delicioso vir ao Shire. Viver no Shire é bem diferente. Não sei se me habituo ao Shire…

Sunday Flowers

sábado, 11 de outubro de 2008

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

histórias...


É bom quando pessoas que pensavam ter sentimentos “mortos” notam que, afinal estes estavam apenas adormecidos.


Numa terapia de casal:

(…) Após alguns blás, blás, blás….

Terapeuta: Então quer-me explicar porque está com o Mister Y?
Ela: O motivo porque estou com ele é por ele ser o meu oposto, eu sou extremamente impulsiva, não paro muito para pensar, não planeio, mando-me de cabeça. Ele é o meu outro lado, Consegue deter os meus impulsos. Calmamente ajuda-me a ponderar, a planear e a refrear as minhas decisões. Entre outras coisas.
Terapeuta: Então e o Mister Y, quer-me explicar porque está com a Miss Z?
Ele: Porque ela me faz rir.

(…) Seguiram-se mais uns blás, blás, blás

Não ficaram juntos, ela demorou um pouco a perceber a resposta, talvez uns anos… mas chegou lá!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

A dança...


A notícia não é fresquinha mas deixou-me os pipinhos aos pulos. Não, não vamos falar do aumento dos preços dos combustíveis e muito menos dos momentos de crise financeira. Vamos sim, falar de mais uma idiotice da nossa menina xô ministra.

Claro que não vou poder chamar uns nomes simpáticos à senhora, pois podem fechar aqui o quintal e ainda nos sujeitamos a responder em tribunal como o amigo que chamou simpático ao presidente da Câmara lá de cima. Posso sempre sugerir à xô ministra que passe férias em Longroiva no concelho de Meda (sim, é em Portugal e não na Ucrânia), especialmente que vá até ao concelho e não volte.

Beim, isto agora não é im-putante e passemos à notícia deveras interessante. Estava aqui a moçoila e ver o primeiro jornal quando a noticia dada foi sobre a falta de cadeiras para os alunos do conservatório, os quais se sentam no chão para assistirem às aulas. Ora, as cadeiras tinham sido pedidas em Maio e em Outubro não tinham chegado. A notícia lá deu, e eis quando senão para finalizar o locutor com um sorriso nos lábios refere que naquele momento tinha a informação que os alunos do conservatório já tinham cadeiras. Contudo, tinham sido apenas emprestadas pelo poder central. Lindio, não é?????

Ora vejamos, declaro que a partir deste momento o dinheiro que forneço ao estado, durante o ano, em forma de pagamento de todo o tipo de impostos será apenas emprestado, no final do mesmo exijo a sua devolução à minha conta bancária, parece-me justo!!!

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Lisbon...


A malta voltou a visitar locais onde não passava há pelo menos 3 anos. Entra e senta-se no café conhecido da avenida ali por trás do marquês. Ainda tinha meia hora até à hora combinada e pede um croissant de chocolate e um chá de limão.

Eis quando senão entra a correr um moçoilo que pede licença para se sentar ao lado da moçoila ao que a moçoila respondeu “esteja à vontade”. O moçoilo pede um café e vê o croissant e o chá da moçoila chegar primeiro e questiona pelo seu café o qual o empregado fez questão de ir a correr buscar, e esta foi a conversa:

Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: Isto está pior, quando andava aqui na faculdade eles eram mais rápidos. Espero que não tenha esperado tanto pelo seu croissant e pelo seu chá.
Eu: Foi relativamente rápido (ai o catano! Agora vou ter de levar com este que andou aqui na faculdade, bah!)
Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: Esta zona sempre foi muito aborrecida para estacionar o carro, por isso gosto de vir aqui porque posso beber café e ver o carro!
Eu: Sim, sempre foi! (será que posso lanchar descansada?)
Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: Por isso gosto de morar em Lisboa, odeio filas e estar no trânsito! No outro dia tive de ir fazer uma escritura para um cliente e foi um perder tempo em trânsito e bla, bla, bla….
Eu: … (o croissant é mesmo bom, se o gaijo se calasse eu conseguia saboreá-lo melhor, o croissant claro)
Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: Desculpe a pergunta mas trabalha aqui perto?
Eu: Sim, a dois quarteirões para o Marquês
Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: E não nota o problema do trânsito?
Eu: Não. Deixo o carro fora de Lisboa!
Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: Ahhhh então não mora em Lisboa? desculpe perguntar!
Eu: Não, moro no Shire e como também odeio filas, deixo o carro fora de Lisboa.
Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: No Shire? Engraçado, já não ouvia alguém dizer que mora no Shire há imenso tempo.
Eu: Moro eu!
Moçoilo assim faz conta com mania que é esperto: Foi um prazer conhecê-la, boa tarde!
Eu: Igualmente!

Tem coisas que eu não entendo, voltei a entrar em Lisboa onde as pessoas andam num formigar incrível. Saí de Lisboa há pelo menos um mês e a velocidade do formiganço fez-me confusão. Mais confusão me fez a solidão das pessoas não ser tão diferente da solidão das pessoas do Shire!

domingo, 5 de outubro de 2008

sábado, 4 de outubro de 2008

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

o Seducionismo


Na arte de seducionar existe uma parte da linguagem Corporal muito importante. Para quem não sabe, cá vão umas dicas que os nossos cérebros descodificam em fracções de segundos…

Quando alguém está interessado noutro alguém, assim faz conta para o muito interessado, podemos apercebermo-nos pela forma como cruza as pernas ou a forma como os pés estão situados. A malta exprica:

Quando se está interessado em alguém não se cruza as pernas durante a conversa ou o cruzamento das mesmas é feita de uma forma descontraída. Caso se cruze as pernas o outro percebe que a pessoa não está disponível. Quanto aos pés, quando estamos interessados, apontam para o objecto do nosso desejo (moçoilo ou moçoila), quando não estamos interessados apontam para o espaço. ok, esta é uma das dicas.

Ahhhh e se se cruzar os pés e as pernas, ao mesmo tempo, esqueçam lá isso que ele ou ela não está nem aí para nós!

Quando uma moçoila está interessada num moçoilo fica assim com um tom de voz mais esganiçado (tipo galináceo) e fala mais acelerado, coloca várias vezes a manita em cima do moçoilo, para dar indicações às outras moças, que o moço é dela, esta é mais uma dica.

Outra dica é quando um moçoilo se sente atraído por uma moçoila as suas pupilas dilatam ao olhá-la e ela descodifica automaticamente e correctamente esse sinal, o inverso também acontece. Como as moçoilas possuem uma visão periférica conseguem olhar um moçoilo no rosto e captar o restante do seu corpo (sem serem apanhadas) os moçoilos como possuem uma visão tipo túnel, não o conseguem fazer, e claro, são sempre apanhados.

Só coisas giras! Mas isto tudo para expricar que apesar destes conhecimentos todos, aqui a moçoila não percebe nada desta arte do seducionismo. A malta fica tipo galináceo, fala pelos cotovelos, deve dilatar a pupila (que essa é automática) lá dá uns toques no moçoilo para ver se ele percebe e a mensagem de retorno é confusa.

Por vezes faz-se uns sinais de luzes e a moçoila lá avança sem medos, quando está quase a chegar ao local do crime recebe sms do tipo “linda, miga, nina”, tudo coisas simpáticas que qualquer moçoila interessada gosta de ouvir, e a moça mete o pé no travão. “Apóis” lá recebe uns sinais de fumo e uns toques e umas festas e a malta lá avança, quando está quase a chegar ao local do crime não vê sinais nenhuns de nada…
Eh pá! Cansei! esta gaita do seducionismo cansa-me a mona e dá-me cabo da paciência, por isso fiquei indisponível, em caso de levantamento procure o próximo Vulti-Vanco… bah!

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

O Papelinho


A malta precisava de um papelinho comprovativo de algo para apresentar no sítio tal para comprovar que a malta tinha competências para uma função específica. “Atão”, a malta vai para o local indicado para lhe passarem o papelinho que deveria ter sido enviado à moça em 2005 e caso não esteja enganada estamos em 2008, penso eu de que!

Ora, a malta lá no place espera meia hora para ser atendida e é-lhe dito que terá de enviar um e-milio. Após o e-milio enviado a malta recebe um tó-fonema e a Sôtora lá do sítio refere que a malta não tinha direito ao papelinho, daí o motivo à malta nunca o ter recebido. A malta começa a ficar com a visão turva, a hiperventilar e a ver tudo às cambalhotas.

Sobe um cadinho mais o tom de voz, assim faz conta num tom simpático e refere os porquês de ter direito ao papelinho. A sôtora lá se engasga e refere “ok eu vou providenciar o papelinho, venha buscá-lo ao place às tantas horas no secretariado ali na entrada”.

A malta no dia tal chega ao secretariado à hora marcada pela sôtora e pergunta se tem de tirar senha e esperar naquela fila descomunal apenas para receber o papelinho ao que o simpático, ao contrário, respondeu com umas trombas de palmo e meio “claro que sim!”. A malta esperou duas horas até chegar ao balcão e quando lá chega, após várias técnicas para controlar a ansiedade e a hiper-ventilação, calmamente pede “o Livro de Reclamações, if u please?!” Ao que foi questionado pela criança que a atende “Quer reclamar? Pu-kÊ?”

A malta refere o Pu-kê e manda chamar a chefe da secção à qual expõe o caso para não ter de fazer a reclamação por escrito. Entra tudo no maior streck porque o papelinho não estava lá como delineado à partida e a espera de duas horas por um papelinho não estava a ajudar. A chefe de secção refere “tenho de ir buscar o seu papelinho ao 3º andar, é no 3º andar, mas eu vou lá”. Como quem diz “eu sou chefe, não me posso deslocar ao terceiro andar porque me pode cair o salto alto, mas por ti até vou lá” (ao que eu achei muita piada).

Chega a chefe de secção e a Sôtora lá do place que tinha marcado o assunto todo com a moça e refere à moça “a jiminy é que percebeu mal, eu disse que era para ir ter comigo, por isso fiquei com o papel”

Imaginam a minha cara de parva (não muito diferente da normal) em que questiono de mim para mim…

“onde anda a qualidade no atendimento ao cliente? Hummmm? Primeiro, o procedimento leva a que uma pessoa espere duas horas só pela entrega de um papelinho. Segundo, a chefe terá de se deslocar para resolver o assunto ao cliente e frisa, estupidamente, que o vai fazer, quando devia de o fazer e estar calado. Por último “ai e tal a culpa não é nossa e afinal é sua porque percebeu mal!!!”

Ai estes serviços, lindios!!