segunda-feira, 31 de março de 2008

domingo, 30 de março de 2008

Sunday Flowers

Laying in the after glow
I only want to learn what you know
but now you're leaving

how many hearts must you break?
how many calls must I make?
but now you're leaving

in this world all that I choose has come unbearable
but love is in your touch
oh it's killing me so much

only when tou leave
I'll need to love you
and when the action has all gone
I'm just a little fool enough to need you
fool enough too long

only when you leave,
you'll leave in danger
oh I'll make sure that you pay
so give a little passion to a stranger
and take this soul away

I only want to make this things last
so how could this have gone so fast
and now you're leaving

how many times must I learn
it' s only when you've gone that I burn
and now you're leaving

In the end, all that I left has come unbearable
it's hard to change your mind,
so leave it all behind

Only when you leave
I'll need to love you
and when the action has all gone
I'm just a little fool enough to need you
fool enough to long

only when you leave,
you'll leave in danger
oh I'll make sure that you pay
so give a little passion to a stranger
and take this soul away

Spandau Ballet

sexta-feira, 28 de março de 2008

Down Town


People, gente, povo, voçês nem imaginam a night das babes!!!

Bahhhhhhh!!!!!! Foi a Pê da Loucura!


Após a R&B Party lá pós lados do Bronx, as babes deram com elas algures a lavar a vista! Aiiiiiiii! A lavar imeeeeeeeeeenso a vista ao som do medley Best of ABBA!! Uaaaaauuuu foi a doideira!


Bom e mais não interessa nada, porque prá semana há mais, que isto de lavar os olhos é semanal e é bom! Muuuiito bom!!


Eis que esta manhã acordámos (lá para as 3 da tarde) decididas a ir à Down Town da PSA. Entrámos pela Madison Avenue adentro e foi ver as babes: elas eram na Chanel; elas eram na Gucci; ai elas eram na DKNY, ai ai ai elas eram na Dolce & Gabbana!


Ò despois, ainda não satisfeitas, demos um saltinho à 54th St à Manolo Blahnik e logo de seguida à 5th Avenue para espreitar os sapatinhos da Jimmy Choo.


Mais tarde, as super babes esplanaram no Central Park, fazendo-se acompanhar de dois Manhattan, como que antecipando o fabuloso jantar reservado no chiquérrimo e caríssimo Jean Georges (sim, ok, nós damos o contacto, é só pedirem!).


Bom e para acabar bem a noite, temos a dizer que vos escrevemos do Plaza Hotel, mas consideramos fortemente a hipótese de ir dar um pézinho de dança ali ao Studio 54!


Digam lá que não é bom passar uns dias com a amiga Jiminy na cosmopolita PSA???!!!

quinta-feira, 27 de março de 2008

I beliveI can I fly!...

Buennas!!! Carissímos, há quanto tempo!!?

É vero, é vero.... pois que agora (e apesar de todos os "enganos" da vida) eis que não me sai da cabeça a ideia do título deste post!!

Ah pois é, bebé (que cena mais foleira de se chamar a uma babe, ficam já a saber, seus pseudos machos!)

Então não é que a Daisy cá do quintal acha que pode voar!?!? E quem é que assitiu ao feito?? Quem foi, quem foi? - Perguntais vós!
Foi.......
Foi.......

Tchan tchan tchan tchan!....... A MARIA!!!!!!! Coisa mai linda!!!!!

Pois ontem, ia eu, a Maria e a Jiminy - sim, porque a Mary é uma lapa, sempre colada a nós, onde quer que eu vá com a Jiminy, a miúda lá está! - a caminhar ali pós lados da Linha, leia-se Mayotte, quando no auge da cunbersa:

Jiminy: Oh Daisy, Blá, blá, blá, blá??????????????
Miss Daisy: Oh Jiminy, Blá, blá, blaffffffftttssssssss!!!!!
(Esta gaita de tentar escrever o som de um gafanhoto a saltar pela boca em direcção ao olho da Mary, não é fácil!!!)

Nisto, a Mary varalha-se, tropeça-se e pum catrapum, ai-cum-catano-que-estou-quase-a-mandar-me-pó-chão e PLIM! Presente do dia: gafalhoto no olho da Maria!

Jiminy: Oh Daisy, é impressão minha, ou cuspiste no olho da Maria?
Daisy: BAAAAAHHHHHHHHH!!!!!!!! Eu realmente, pareceu-se-me que ela piscou o olho!!

E agora digam lá se as Daisys não voam?!

o que eles pensam...


quarta-feira, 26 de março de 2008

o xadrez


Este poderia ser um post sobre a vida é um Xadrez e blá, blá, blá, mas não!
A malta tinha um encontro no El Corte com não sei quem às não sei quantas horas.

A malta chegou mais cedo e mandou sms a avisar que já tinha chegado e estava na zona dos fumadores. Recebeu uma sms de volta a dizer “sorry, I’m terrible late” o que queria dizer que iria fumar quase meio maço à espera. Contudo, a malta não anda muito de fumar, anda (coisa rara) a fumar menos.

Estava eu na zona dos fumadores, sentadita numa mesa de quatro pessoas e a área dos fumadores quase vazia. Ou seja, repletisssssssima de mesas vazias. De repentemente entra um vôvô a correr, disparado na minha direcção e pergunta brutamente:

Vôvô: Está a espera de alguém?
Eu: Sim?!?!
Vôvô: Mas de quantas pessoas?

E eu a pensar, Ok, isto promete!

Eu: de uma pessoa.
Vôvô: Ahhh, então posso ocupar a mesa deste lado?
Eu: Claro, esteja à vontade.

Sai disparado e vai buscar um copo de água e montanhas de toalhetes, limpa a mesa toda, separa a mesa da minha, arranja o local com uma energia que até me deixou varalhada!!!! Entretanto, chega o segundo Vôvô. Copo de gelado na mão, e um saco do El Corte…Sentam-se os dois e sacam do tabuleiro de Xadrez que viajava no saco do El Corte. E diz o Vôvô obsessivo “Você não é diabético?” Vôvô diabético “Por isso venho comer os gelados aqui, não têm açúcar!”

Ora, então temos um Vôvô obsessivo e um Vôvô diabético a jogar Xadrez do meu lado e eu a fumar e a pensar…. Ok, isto promete!

Começam a jogar e sai o Vôvô obsessivo, super cuidadoso com o seu peão e eu a pensar… Ok, era previsto, vóvó cauteloso.
Foi a vez do Vôvô diabético jogar e sai com um bispo e eu a pensar…. Ok, isto promete.


Nova jogada do Vôvô obsessivo à cautela de novo.
Eis quando senão na segunda jogada o Vôvô diabético manda com a Rainha para o terreno e eu só pensava…. UAU! o Vôvô diabético é um ganda maluco. Vamos ver onde isto vai dar, como se vai aguentar. Tudo isto enquanto o Vôvô diabético comia calmamente o seu gelado.

Passado uns minutos o Vôvô obsessivo reclama “cheque à Rainha” e eu de boca aberta, o jogo tinha apenas 5 minutos…. E agora como se safa o Vôvô diabético?

Calmamente o Vôvô diabético acaba o seu gelado, puxa do seu cigarrão e começa a esfumaçar… demorou um pouco a perder a sua Rainha, mas acabou por a perder umas jogadas à frente.

O jogo continuou, o Vôvô obsessivo fez vários cheques ao Rei, aos quais o Vôvô diabético se livrou bem, foi um jogo renhido e estava eu entusiasmada a ver o jogo quando de repente…

Alguém: Hi there!
Eu: Hi!

E lá fui, sem saber qual dos Vôvôs ganhou o jogo mas apostava os meus cavalos no Vôvô diabético…


Adorei o Vôvô diabético, era um ganda maluco, jogava sem medos e sem receios, como se a vida fosse uma aventura emocionante, simples de ser vivida como naquele jogo de Xadrez.

terça-feira, 25 de março de 2008

O menino do Gás!













Bem, os moçoilos têm aquele anúncio com a Top Model a levar o gás a casa o que dá uma grande pausa à marca e bota os moçoilos a salivar. Pois a malta é induzida em erro e projecta que quando liga para o senhor do gás nos apareça cá em casa um Rodrigo Santoro (que não é alto, loiro e lindio mas faz qualquer uma babar desalmadamente), com a bela da botija do gás as costas.

Ora bem, a Maria tinha ido de férias e a Malta a meio do duche ficou sem gás. A Malta é a única no prédio ainda a possuir a bela da bilha do gás. Para mim e para a Maria não valia a pena fazer a troca e ficamos sempre com a ilusão que o Rodrigo trabalhasse para a companhia do gás... ilusões? Ou não!

Como está previsto a meio do duche, lá cantei uma ópera e bati o dente, roguei uma praga à Maria porque é ela que trata destas coisas e pior que ursa acabei o duche e liguei para o senhor do gás, convicta que ele me mandava o Rodrigo juntamente com o gás.

O senhor muito simpático lá referiu que só conseguia fazer a entrega passada uma hora, o que não me incomodou nada pois já tinha cantado todos os actos da Madame Butterfly, e já estava por tudo.

Passada uma hora tocam-me a porta e penso eu…. Ahhh! Vamos ver!

Quando abri a porta como todos vocês poderiam prever que me iria aparecer um senhor baixinho, com bigodes retorcidos, barriga de nove meses e com um nome parecido com o do Sr. Malaquias ali do talho…. Nãaaaaaaaa!!!!

Aparece um projecto de Rodrigo Santoro… não digo uma fotocópia, mas lá perto e eu pensei… Deuses, pera tudo! … e nem vos conto o sorriso do moçoilo, a simpatia e tudo e tudo… claro que fiquei sem fala, o rapaz só se ria, deixou a bela da bilha, eu paguei fechei a porta e pensei… estes gajos do gás andam a apostar no marketing da marca, só pode!!!!

As coisas que a Maria vê que eu desconhecia!!!!

segunda-feira, 24 de março de 2008

Mulholland Drive




















A primeira vez que vi Mulholland Drive com Naomi Watts e Laura Elena Harring, foi depois de um jantar de amigos cá em casa, com um belo vinho tinto e finalizado por um Porto. Éramos 6 pessoas, e por muito que no final tivéssemos opiniões completamente diferentes sobre o filme, a verdade é que ninguém desistiu de o ver e ficamos todos envolvidos pelo mesmo. Lembro-me de ter ficado a pensar que o filme seria um sonho dentro de um sonho…

É isto, sem dúvida, que me encanta no cinema de David Lynch. Por muito vertiginoso e completamente incompreensível, leva-me por emoções estonteantes, deixando-me a pensar sobre a história que me foi passada muito depois do filme ter terminado sem nunca deixar de me fascinar.

Depois desse jantar, revi o filme esta noite entre umas pipocas e sem Porto a acompanhar, e não creio ter concluído o mesmo que conclui quando o vi pela primeira vez.

O auge do filme, para mim, está quando a “llorona de los Sangres” Rebecca del Rio canta “llorando” na famosa cena do Club Silencio onde nada é real e tudo é uma ilusão.

No entanto, descobri momentos novos, pequenas coisas que ganharam uma nova visão ou que me tinham escapado antes… Realidades dentro de realidades… Seja o que for, o fascínio continua o mesmo.

Insónia!














Esta noite, lá pelas 2 da matina, a malta estava com uma insónia descomunal e resolveu ligar de novo a TV.

Canal X... àquela hora ouvi, "Boa tarde, seja bem-vindo, hoje o nosso convidado é o avô cantigas"

Ok, olhei para o relógio para constactar que era de noite e pensei... Avô Cantigas? vai ser lindio!

Entretanto a meio do programa deram a notícia de uma nova loja de moda e de desporto e lá vem a entrevista:

Jornalista: É um homem que se preocupa com a moda?
Quaresma: Sim.
Jornalista: Quais os assessórios que não abdica de usar?
Quaresma: os brincos e relógios.
Jornalista: O que gosta de fazer nos seus tempos livres?
Quaresma: Deixar o tempo passar!

Silêncio......

Jornalista: Mas o que faz para passar o tempo?
Quaresma: Passo com a "Famila", são poucos os momentos que passo com eles por causa dos jogos, e sempre que posso estou com a "Famila".


Pensei... Aí está um Homem de "Famila".. Ai Deuses Jiminy, desliga essa gaita e pensa na tua vida que é mais parecida com um filme do Tarantino e não pagas bilhete nem ouves palermices!

domingo, 23 de março de 2008

Sunday's Flowers

I went to your house
Walked up the stairs
I opened your door without ringing the bell
I walked down the hall
Into your room
Where I could smell you
And I shouldn't be here, without permission
I shouldn't be here

Would you forgive me love
If I danced in your shower
Would you forgive me love
If I laid in your bed
Would you forgive me love
If I stay all afternoon

I took off my clothes
Put on your robe
I went through your drawers
And found your cologne
Went down to the den
Found your CD's
And I played your Joni
And I shouldn't stay long, you might be home soon
I shouldn't stay long

Would you forgive me love
If I danced in your shower
Would you forgive me love
If I laid in your bed
Would you forgive me love
If I stay all afternoon

I burned your incense
I ran a bath
I noticed a letter that sat on your desk
It said "Hello love, I love you so love, meet me at midnight"
And no, it wasn't my writing
I'd better go soon
It wasn't my writing

So forgive me love
If I cry in your shower
So forgive me love
For the salt in your bed
So forgive me love
If I cry all afternoon

Alanis Morissete

sexta-feira, 21 de março de 2008

O Poço




















Cais, às vezes, afunda
sem teu fosso de silêncio,
em teu abismo de orgulhosa cólera,
e mal consegues
voltar, trazendo restos
do que achaste
pelas profunduras da tua existência.

Meu amor, o que encontras
em teu poço fechado?
Algas, pântanos, rochas?
O que vês, de olhos cegos,
rancorosa e ferida?

Não acharás, amor,
no poço em que cais
o que na altura guardo para ti:
um ramo de jasmins todo orvalhado,
um beijo mais profundo que esse abismo.
Não me temas, não caias
de novo no teu rancor.

Sacode a minha palavra que te veio ferir
e deixa que ela voe pela janela aberta.
Ela voltará a ferir-me
sem que tu a dirijas,
porque foi carregada com um instante duro
e esse instante será desarmado no meu peito.

Radiosa sorri-me
se minha boca fere.
Não sou um pastor doce
como nos contos de fadas,
mas um lenhador que comparte contigo
terras, vento e espinhos das montanhas.

Dá-me amor, sorri-me
ajuda-me a ser bom.
Não te firas em mim, seria inútil,
não me firas a mim porque te feres.

Pablo Neruda

quinta-feira, 20 de março de 2008

O Engano

Vou fugir! Vou fugir rapidamente!
Vou tentar fingir que nunca aconteceu...
Apagar da minha memória que acreditei, que senti o que senti;
Que te toquei e lutei contra mim!

Não te odeio (ainda);
Só não queria que saisses da minha vida de modo tão incolor.
És fraco; inseguro. Deste cabo do meu fulgor;
Que queres de mim, seu traste sem cor?!

quarta-feira, 19 de março de 2008

terça-feira, 18 de março de 2008

Segredos!
















Tive saudades...

Do cheiro de terra molhada quando chove;
Da brisa do mar no meu rosto;
Do pôr-do-sol das Avencas;
Do caminhar descalça na areia molhada da praia;
Do sol no meu rosto;
De ficar quieta e observar o horizonte;
Da calma da alma;
De ti!

segunda-feira, 17 de março de 2008

Back in Town...




















De volta à Never Land a Maria entra em casa e tira-me do sofá! Ora, eu sair do sofá é grave, mas as saudades da Maria eram imensas e lá demos os abraços e beijos e as novidades das férias.


Maria: bla, bla, bla, férias

Eu: humm, hummm

Maria: bla, bla, bla, Monte

Eu: sim, sim

Maria: bla, bla, bla, Sevilha...


Pera tudo! Sevilha? eh pa! ela foi a terras espanhuelas e nã me comunicou?


Eu: Mas foste assim de repentemente?

Maria: yap, deu-me na mona e lá fui, coisas...

Eu: e?

Maria: bla, bla, bla Tio Visa e bla, bla, bla


Pera tudo, ela falou no Tio?


Eu: Tio visa? Maria esticaste-te?!?!

Maria: oh pa! gastei um jantareles, nã te aborreças, foram só uns trocos.


E eu a pensar.. uns trocos?! estou para ver!


Maria: Bla, bla, bla Gaijos giros, bla, bla, bla

Eu: gaijos giros, havia?

Maria: estás surda?! nã havia!!!!


E eu a pensar, isto são férias? ok. Eu já tinha apanhado um voo low-cost para Barcelona e SIM, é que era ver gaijos giros (lembrei-me logo da última vez que lá estive, o belo do espanhol parecido com o Hugh Jackman que me atendia todos os dias um café solo). Entrava pelo Passeio de la Gracia e começava na Kokai e so parava na Chanel. Não havia Tio Visa que aguentasse, mas isso sou eu.


Enquanto falavamos a Maria abriu o frigorifico e descobriu varias coisas mortas la dentro. Foi fazendo uma limpeza e começou a preparar um belo de um jantareles todo aprumado, deu direito a velas e tudo! No final do jantar:


Maria: O jantar estava bom?

Eu: Maria, se eu soubesse já te tinha mandado de férias há mais tempo!



E só rezava para que ela não tenha destas muitas vezes, já tinha saudades destes jantareles!

Latest Sunday's Flowers

Ah fuego lento tu mirada
ah fuego lento tu, o nada
vamos tramando esta locura
con la fuerza de los vientos
y el calor de la ternura.

Sigue el camino del cortejo
a fuego lento, a fuego viejo
sigo avivando nuestra llama
con todo lo que te quiero
y lo mucho que me amas.

Ahh fuego lento me haces agua
contigo tengo el alma enamora
dame llenas, me vacías, me desarmas
¡ay!, ¡ay! iay! amor cuando me amas.

Ahh fuego lento revoltosas
caricias que parecen mariposas
se cuelan por debajo de la ropa
y van dejando el sentimiento
amor forjado a fuego lento.

Ah fuego lento mi cintura
ah fuego lento y con lisura
vamos tramando este alboroto
con la danza de los mares
y el sabor del poco a poco.

Sigo el camino del cortejo
a fuego lento a fuego añejo
sigo avivando nuestra llama
tantos días como sueños
tantos sueños que no acaban.

Ahh fuego lento me haces agua
contigo tengo el alma enamora
dame llenas, me vacías, me desarmas
¡ay!, ¡ay! iay! amor cuando me amas.

Ahh fuego lento revoltosas
caricias que parecen mariposas
se cuelan por debajo de la ropa
y van dejando el sentimiento
amor forjado a fuego lento.

Rosana

quinta-feira, 13 de março de 2008

Sem ti!...

Volta! Tenho demasiadas saudades tuas!

Volta triste ou alegre, cansada ou cheia de energia, com a neura ou sem ela, mas volta!

Volta de braços abertos e, com vontade, trataremos de os encher de coisas boas! Afinal, não é disso que se alimentam os momentos Kodak (e também o Galhunço)?

Não suporto , mais do que ver-te, sentir-te longe de mim!... Já sei que não verbalizas, mas e a escrita que se tinha "apoderado", e tão bem, da tua mente, das tuas mãos??!

Volta!... E quando voltares a voltar, voltaremos juntas!

domingo, 9 de março de 2008

Sunday Flowers

Oh yeaa……ah ah ah…….
Is ah big dancehall song in know
Madzart alongside Kevin Little
You know how it is,
You Know how we go
You know

For the longest while we jamming in the Party
And you’re wining on me
Pushing everything
Right back on top of me
(tea ­ hey ­ ai)

But if you think you’re gonna get away from me
You better change your mind
You’re going home…….
You’re going home with me tonight

Chorus:
Let me hold you
Girl caress my body

You got me going crazy
You turn me on
Turn me on……..

Let me drive you
Going all around me

You got me going crazy
You turn me on
Turn me on……..

Rap:
The girl ya nah go get way tonite
If she think madd man nah go fight
Me done feed she with popcorn and sprite
Now she whar come fly way like kite

Ooh yea yea
Ooh yea yea
Ooh yea yea yea
Ooh yea yea yea yea yea yea
Yea yea……

One hand on the ground and
Bumper cock sky high
Wining hard on me
Got the Python
Hollerin’ for mercy ­ yea hey ­ai
Then I whisper in her ear
So wine harder
And then she said to me
Boy just push that thing
Push it harder back on me

Chorus:
Let me hold you
Girl caress my body

You got me going crazy
You turn me on
Turn me on……..

Let me drive you
Going all around me

You got me going crazy
You turn me on
Turn me on……..

Hug me, hug me
Kiss me, squeeze me,
Hug me, hug me,
Kiss and caress me

For the longest while we jamming in the Party
And you’re wining on me
Pushing everything
Right back on top of me
(tea ­ hey ­ ai)

But if you think you’re gonna get away from me
You better change your mind
You’re going home…….
You’re going home with me tonight

Let me hold you
Girl caress my body

You got me going crazy
You turn me on
Turn me on……..

Let me drive you
Going all around me

You got me going crazy
You turn me on
Turn me on……..
Bridge:
Hug me, hug me
Kiss me, squeeze me,
Hug me, hug me,
Kiss and caress me

Kevin Little

sábado, 8 de março de 2008

O mar enrola na areia...


A malta, como alguém disse, "queimou" e não aguentou as saudades da Maria. Assim, galgou vales e montes, donde aliás trouxe a Maria, e toca de ver o Mar.

Do campo à praia, desde que anoiteceu até que o sol brilhou lá no alto, toquei, abracei, beijei e matei algumas saudades da Maria. Lembrei-me, mais uma vez, de como é bom estar com esta moça!

E o oceano era o nosso limite!

Miss Daisy

sexta-feira, 7 de março de 2008

Locuções Conjuntivas!

Na ausência da Maria, que se anda a divertir que nem uma doida com o Tio (ela e o Tio aquilo é tanto mel que até mete n...), a malta tem de continuar a vida pá frente e, assim sendo:

- A Maria foi de férias. Estamos, no entanto, com bastantes saudades dela!

- Gosto muito de ti. Contudo, não me chateies muito.

- Ela abandonou-me. Ainda assim, a malta gosta muito dela!...

- Ela foi. Todavia, a malta espera.

quarta-feira, 5 de março de 2008

fui....
















Meus caros, a Maria queimou o "piston" e resolveu ir de férias. Claro que tentei bater o pé e chantagear a moça. Tentei, devido à recessão mundial cá de casa, não há orçamento que aguente férias, mas a gaija está decidida e por tal lá leva o meu tio Visa com ela para as despesas (o que é sempre bom). Estou para ver no regresso da moça a conversinha que vou ter com o Tio Visa (vai ser lindio, vai)


Por isso estarei de volta dos tachos e panelas e da lida caseira enquanto a gaija vai até ao campo... "ai, e tal vou para o monte" (sei... chama-lhe monte) foram as suas últimas palavras quando saiu porta fora de mala na mão.... e eu que me lixe!


Beijos e até dia 18

segunda-feira, 3 de março de 2008

Para ti...

Para ti, que passas aqui todos os dias, e que és o meu amor mais lindo!

Nunca te escrevi a carta que sempre te prometi, e às vezes penso que não estou à altura que deveria para te ajudar.
Este post poderia servir para eu me explicar mas não o pretendo fazer.
Tentei dar um tempo a mim mesma, e um tempo a ti, mas o tempo cria distâncias, talvez tenha errado.

Por isso desculpa-me ter saído, mas eu não ía aguentar ficar.

Desculpa-me

Amo-te imenso

Há verdades que não se contam...




















Ontem, andava eu passeando por aí, vendo umas montras, no intervalo de contar moscas, quando passaram por mim dois miúdos a andar de Skate. Faixa de rodagem 13 anos.

Pararam um bocadinho antes e carregaram os skates na mão. Um deles ao passar por mim disse “Ai, se eu tivesse mais 20 anos!”

Fiquei “estupidafacta”. Primeiro, com a lata do puto. Os miúdos hoje em dia não são tão originais, nem se mandam em altos voos, achei-lhe piada. Segundo, porque era o projecto de um alto, loiro e lindio, qual dinamarquês loiro de olhos azuis e cabelos aos caracóis…

Pensei em responder, em dizer-lhe umas verdades. Mas há verdades que não se diz a uma criança de 13 anos que tem tantos sonhos e projectos. Não se diz a uma criança daquela idade que, daqui a 20 anos ele deixará de seduzir mulheres, elas passarão na sua vida como folhas de papel em branco, pois escrever nelas implica memórias, para mais tarde esquecê-las dentro de um livro qualquer. Não, há certas verdades que não se contam às crianças!


Olhei para ele, sorri e respondi “ E eu, se tivesse menos 30 anos, não me escapavas!” pisquei-lhe o olho e fui contar moscas.

domingo, 2 de março de 2008

Sunday's Flowers

You locked up your heart
You wake up with tears and stars in your eyes
You gave it all to someone that
Cannot love you back

Your days are packed
With wishes and hopes for the love that you\'ve got
You waste it all to someone that
Cannot love you back

Someone that cannot love

Love, ain\'t this enough
You push yourself down
You try to take confort in words
But words
They cannot love
Don\'t waste them like that
Cus they\'ll bruise you more

You secretly made
Castles of sand that you hide in the shade
But you cannot hold the tides that break them
And you build them all over again

You talk all these words
You make conversations that cannot be heard
How long until you notice that
No one is answering back

Someone that cannot love

Love, ain\'t this enough
You push yourself down
You try to take comfort in words
But words
They cannot love
Don\'t waste them like that
Cus they\'ll bruise you more

Love, love, ain\'t this enough
Pushing around
You try to take comfort in words
But words
Well they cannot love
Don\'t waste them like that
Cus they\'ll bruise you more

Someone that cannot love
Someonethat cannot love
Someone that cannot love

Love, ain\'t this enough
You push yourself down
You try to take comfort
in words
But wordsThey cannot love
Don\'t waste them like that
Cus they\'ll bruise you more

Love, love, ain\'t this enough
Pushing around
To find little comfort in words
But words
Well they cannot love
Don\'t waste them like that
Cus they\'ll bruise you more
You know they\'ll bruise you more

Words they will hurt you more
Words they will hurt you more
Yes they\'ll bruise you

Someone that cannot love
Someone that cannot love

David Fonseca

sábado, 1 de março de 2008